Artigos & Informações
Climatério: Equilíbrio pode ser alcançado com terapia complementar "Florais de Bach"

O climatério é o período que antecede a menopausa, última menstruação da mulher. Trata-se de uma fase em que algumas mulheres apresentam sintomas físicos e emocionais que modificam – e até atrapalham, em alguns casos – suas atividades pessoais e profissionais. Informações foram passadas por meio de Assessoria de Imprensa.

Há tratamento alopático para o período, que varia conforme os sintomas apresentados, sempre prescrito por um médico especializado. Porém, é possível complementar o tratamento tradicional com o uso de Florais de Bach originais. A terapeuta floral e educadora Maria Aparecida das Neves comenta a questão: “é preciso entender e diagnosticar como a mulher está se sentindo neste momento, já que existe um conjunto de sensações que influenciam o momento. A variação hormonal e o período de transição da atual para a nova fase da vida podem sim trazer complicações emocionais tratadas pelos Florais de Bach”. Ela exemplifica:

- O climatério é o momento em que a palavra de ordem é alteração. E se trata se uma alteração em toda a vida, que exige muita adaptação. Por isso, a essência floral indicada é Walnut, que prepara cada ser para momentos de transição e adaptação. Em qualquer preparo com os Florais de Bach originais para climatério, o Walnut precisa fazer parte.

- Quando a sensação é o nervosismo que leva a mulher a temer os eventos do dia a dia, Mimulus é o floral indicado. Ele afastará o medo das atividades cotidianas.

- Se a agitação é o que faz a mulher no climatério perder o controle, o floral Cherry Plum promove o equilíbrio e restaura a paz.

- Quando o sono é sono agitado, perturbado pelas ondas de calor e irritação, Impatiens é o floral indicado, já que neutraliza a irritação e acalma.

- O floral Larch, por sua vez, ajuda mulheres que se sentem constrangidas, que não têm confiança em si mesmas e que sentem que todos os olhares estão sobre si. Se elas apresentam insegurança quanto à própria capacidade, Larch trará confiança e aumentará a auto-estima.

- O período também pode fazer com que a mulher sinta-se feia, inadequada, obsessiva e negativa com relação à própria aparência. Para elas, o floral Crab Apple é o indicado.

- Uma queixa bastante comum é a letargia e a fadiga. Mulheres cheias de vida que se sentem esmagadas por tais sintomas precisam da essência floral Hornbean, que dá energia vital extra.

Maria Aparecida das Neves explica que os Florais de Bach originais tratam os sentimentos que levam o corpo a emitir sintomas. Não se trata de medicamento, mas de uma terapia complementar que pode ser usada por adultos, crianças, animais e plantas, sem quaisquer restrições.

Mais sobre os Florais de Bach

O médico inglês Edward Bach, na década de 30, descobriu um sistema universal de cura: os chamados Florais de Bach. A cura, neste caso, não era física, mas sim emocional, afinal, para ele a desordem dos sentimentos e emoções se refletia em malefícios no corpo – uma constatação, atualmente, muito fácil de entender.

Os Florais de Bach são 38 essências feitas a partir de plantas e florais, ‘gotinhas’ que ajudam as pessoas a administrar as pressões emocionais do dia-a-dia e as que surgem motivadas por alguma situação específica – perdas, traumas, etc. Com as emoções em ordem, é possível ter um corpo saudável, livre de qualquer mal.

Bach identificou 38 estados negativos da mente como medo, incerteza, solidão e desalento, entre outros. Para cada estado de ânimo ele encontrou uma planta e criou uma essência floral para tratá-lo.

A chave para receitar as essências é justamente reconhecer como a pessoa está se sentindo e verificar qual essência corresponde com o estado de espírito descrito. É o passo mais importante para equilibrar as emoções. São muitos os relatos de pacientes que, ao tomarem floral, conseguiram controlar seus sentimentos e passaram a aproveitar melhor a vida.

O sistema criado por Bach tem ainda outras vantagens: é totalmente natural, não é algo caro e não têm contra-indicação. Esta forma de tratamento tem sido utilizada, cada vez mais, por terapeutas e pessoas comuns que buscam o equilíbrio com a ajuda de métodos naturais.


Por: Jornal de Vinhedo - Seção Comportamento

Publicado em: 22/06/2010

Fonte: http://www.jornaldevinhedo.com.br/interna.php?idc=1,0,3977

Modulação terapêutica é chave para o sucesso dos tratamentos contra queda capilar

Cada paciente que chega para consulta médica em tricologia é diferente do outro. Mesmo que o diagnóstico seja o mesmo, cada paciente tem suas peculiaridades e deverá ser conduzido de forma personalizada para que o sucesso do tratamento aconteça.

Atualmente temos trabalhado dentro de um conceito que chamamos de Modulação Terapêutica. Este, envolve a observação do paciente como um todo, fazendo-se necessário um estudo amplo e complexo de cada um deles para que, no momento de iniciar um tratamento, possamos ter como objetivo o sucesso, alem do acompanhamento rigoroso do tratamento após começado.

E, para a nossa felicidade e a de tantos pacientes que acabam tendo a oportunidade de seguir este tipo de tratamento, os resultados tem sido bastante animadores.

A vantagem desta metodologia envolve conhecer amplamente o paciente através de uma histórica clínica muito apurada, onde são verificados todos os motivos que podem contribuir como causas de queda capilar.

Após a história clínica, é realizada uma avaliação física minuciosa dos fios, couro cabeludo e das áreas de rarefação dos cabelos. Tudo de forma a procurar qualquer sinal clínico que possa nos ajudar a entender o quadro do paciente.

Tenho ainda a oportunidade de usufruir de alguns exames como o Videodermoscópio, o Tricograma e o TrichoscanÒ que são valiosas ferramentas que ajudam em muito a tirar conclusões mais significativas sobre as quedas capilares.

Não raro, ainda pesquisamos o sangue do paciente, que pode sinalizar informações importantes, sobre deficiências ou excessos de elementos importantes como células, hormônios, minerais, proteínas e outras tantas substâncias que colaboram com uma visão ainda mais amplificada do problema em questão.

Após todo este processo de diagnóstico, e situando o paciente no mundo onde ele vive (problemas, estresses, alimentação, alergias, padrão de sono, estilo de vida, hábitos e vícios, vida familiar e fora de casa, entre outros), podemos ter uma ideia global do que ele realmente precisa para obter sucesso em seu tratamento.

Analisando todos estes critérios, elaboramos um projeto de tratamento baseado em estratégias medicamentosas com ou sem a inclusão de procedimentos (terapias capilares, uso de laser capilar, massagem etc.), que serão utilizados/realizados, e cujo acompanhamento deverá ser minucioso.

Este critério terá metas que deverão ser alcançadas, e se não alcançadas a reestruturação do tratamento deverá ser feita. A isto chamamos de Modulação Terapêutica.

Sabemos que dias ou períodos de alimentação inadequada, sono ruim, estresses, doenças, cirurgias, entre tantos outros fatores, poderão interferir na sequência do projeto. É nessas horas que devemos estar atentos para continuar promovendo a modulação adequada do tratamento e alterar através da inclusão ou retirada de medicamentos os cuidados que cada paciente vem mantendo para tratar sua queda de cabelos.

Modular uma terapêutica é algo que exige cuidados intensos e contato direto do paciente com o médico. Além do que, o paciente deverá entender o que realmente é importante para ele e avaliar tudo aquilo que modifica para pior ou para melhor sua queda capilar.

Olhar o paciente como um todo e não querer simplificar a compreensão do diagnóstico permite uma percepção amplificada do paciente e, consequentemente, mais sucesso na medida que a terapêutica avança.

Perfil- Dr. Ademir Jr. (CRM 92.693) é médico dermatologista especialista em tricologia (medicina capilar) pela Internacional Association of Trichologists. Membro da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia, da Sociedade Brasileira de Termalismo, e da Sociedade Brasileira de Medicina Estética. Presidente do Grupo de Assistência a Problemas Capilares – GAPCA e Presidente do Grupo de Apoio a Portadoras de Síndrome dos Ovários Policísticos - GAPSOP. Professor de Anatomia e Fisiologia da pele no curso de Pós-Graduação em Cosmetologia das Faculdades Oswaldo Cruz – SP/SP. Autor dos Livros: “Socorro, Estou ficando careca”, publicado pela Editora MG em 2005, “Tem alguma coisa errada comigo – Como entender, diagnosticar e tratar a Síndrome dos ovários Policísticos”, publicado pela Editora MG em 2004 e “É outono para meus cabelos – Histórias de mulheres que enfrentam a queda capilar” – Editado pela Editora Summus. | www.ademirjr.com.br



Por: Portal Fator Brasil

Publicado em: 10/09/2010

Fonte: http://www.revistafator.com.br/ver_noticia.php?not=130966

"A Yoga Da Alimentação"

Tão importante quanto os ingredientes que você usa para cozinhar é a sua consciência

Nutrir o corpo é uma necessidade básica de qualquer entidade viva. Segundo a milenar sabedoria da ayurveda, a ciência da longa vida, para cada tipo de corpo existem alimentos mais adequados conforme o biotipo (dosha). Além disso, é possível transformar uma rotina diária em uma experiência bem aventurada e iluminante. Tudo é uma questão de consciência.

Uma nutrição eficiente requer auto-conhecimento. Muitas vezes o próprio corpo indicará de forma natural quais alimentos lhe são benéficos e quais lhe causam mal-estar. A mente também é afetada e, em decorrência disso, o estado psico-emocional é influenciado pela dieta. Basta perceber os sinais de aprovação ou reprovação que são manifestados. Cada ser tem uma constituição única e particular, resultado da combinação de 5 elementos básicos que compõem tudo o que existe no universo material: terra, água, fogo, ar e éter (espaço). Nossos óssos, sangue, tecidos, tudo é fruto desta combinação. Os alimentos que ingerimos também. Mas além deles, temos a mente, inteligência e ego.
Unidade na diversidade.

Segundo este princípio, todos têm a mesma base constitucional e a variedade de combinações dá origem a uma diversidade infinita. Por isso somos tão iguais e diferentes ao mesmo tempo. Descobrir nossas peculiaridades, reconhecer nossos detalhes, faz parte de um autêntico sistema de yoga. Por isso a prática de yoga vai além da execução de posturas físicas, técnicas de respiração e meditação. Estas são apenas ferramentas para a meta final: auto-conhecimento, auto-realização. 'E o que minha comida tem a ver com isso?'
Até mesmo as máquinas usam combustíveis específicos para funcionar. Neste sentido, podemos ser comparados a naves destinadas a explorar um universo sem fim de sensações e emoções. Tudo em busca de prazer.

O prazer Supremo
O mais elevado sistema de yoga e meditação descri¬to na literatura védica apresenta o ato de prepa¬rar alimento vegetariano, que não acarreta karma - reações (positivas/negativas) de nossas atividades. No clássico Bhagavad-gita a Suprema Personalidade de Deus, Senhor Krsna, afirma: "Se alguém Me ofe¬recer, com amor e devoção, uma folha, uma flor, frutas ou água, Eu as aceitarei". A pessoa que prepara alimento vegetariano puro e natural e o oferece a Deus sentirá o despertar do sublime prazer espiritual. Deus é descrito nos Vedas como o reservató¬rio de todo o prazer. Ao prepararmos alimento para o prazer de Deus experimentamos gozo transcendental. É fácil perceber. Como disse o ex-beatle George Harrison em uma entrevista: "Quando você sabe que alguém cozinhou algo com relutância, isso não tem um sabor tão agradável quanto o alimento que, feito para atrair e agradar a Deus, é oferecido à Ele primeiramente. Basta isto para que o alimento fique muito mais saboroso". Isso quer dizer, "um gosto superior".

O Centro de Cultura Védica e Bhakti-yoga de Miguel Pereira (Rua Áurea Pinheiro, 207) está promovendo o curso 'Gosto Superior - a culinária lacto-vegetariana pelos princípios da Bhakti-Yoga', dia 19 de dezembro, das 14h às 19h. No programa receitas clássicas da culinária indiana, refeições completas, nutritivas e saborosas com a riqueza de cores, aromas e sabores da Índia. Uma alimentação mais saudável, prazerosa, sem violência e livre de karma! E que cultiva além da saúde física, uma mente mais clara, equilibrada e tranquila.

Mais informações e inscrições pelo e-mail shari-to@hotmail.com ou pelo telefone (24)24838170, com Radharani. As vagas são limitadas


Por: Panorama Regional

Publicado em: 11/12/2010

Fonte: http://www.panoramaregional.com.br/genews/index.php?conteudo=noticias_view&cod=7049

Biocurativo usa própolis como cicatrizante e antimicrobiano

Regeneração da pele

Um dos desafios dos profissionais envolvidos com a recuperação de pacientes com queimaduras é abreviar o tempo de internação para evitar complicações infecciosas.

O uso de biocurativos, produzidos a partir de celulose bacteriana - que possibilita a regeneração mais rápida da pele -, é uma das alternativas promissoras.

Pesquisadores do Instituto de Química da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Araraquara, em parceria com a empresa Apis Flora, de Ribeirão Preto, desenvolveram um biocurativo cicatrizante e antimicrobiano à base de celulose bacteriana e extrato de própolis.

Própolis

O produto foi testado em laboratório com ótimos resultados. "O objetivo do biocurativo, feito em forma de película, é atenuar o tempo de tratamento e a dor de pacientes que sofreram queimaduras de primeiro e de segundo graus ou que possuam feridas crônicas", disse Hernane Barud, coordenador da pesquisa.

Os resultados obtidos até agora mostram alto grau de eficiência do produto, principalmente na prevenção do crescimento microbiano e na liberação sustentada de própolis.

De acordo com Barud, a novidade do produto é o aprimoramento da celulose bacteriana com a incorporação de extrato de própolis, insumo farmacêutico que já fora avaliado quanto à eficácia pré-clínica e clínica em queimados por Andresa Berretta, pesquisadora responsável da Apis Flora.

"A própolis é um material resinoso e balsâmico obtido pelas abelhas que, associada à membrana, produz uma ação cicatrizante e antimicrobiana. Além de regenerar a pele, o biocurativo consegue matar as bactérias que surgem junto com os ferimentos", explicou o pesquisador, que concluiu recentemente seu doutorado no Instituto de Química da Unesp de Araraquara sobre Materiais Multifuncionais Baseados em Celulose Bacteriana.

Natureza padronizada

A Apis Flora tem patente para o extrato padronizado de própolis e, atualmente, o grupo prepara nova solicitação para o biocurativo com própolis. "Não é qualquer extrato de própolis que apresenta os resultados, mas o que a empresa desenvolveu, avaliou e depositou o pedido de patente", ressaltou Barud.

Segundo Andresa, quando se trabalha com derivados naturais a reprodutibilidade de lote a lote é indispensável para se obter medicamentos. "Nosso grupo já avaliou essas características e tem condições de obter industrialmente lotes reprodutíveis a fim de se registrar um medicamento nos órgãos reguladores", disse.

A membrana de celulose é produzida pela bactéria Acetobacter xylinum, encontrada principalmente nas frutas em decomposição."A vantagem da celulose bacteriana, principalmente a produzida pela A. xylinum, é a elevada resistência mecânica conferida pela rede tridimensional formada por nanofibras de celulose", explicou.

Com o novo biocurativo o paciente em tratamento poderá desempenhar atividades corriqueiras como tomar banho ou ficar exposto ao sol. "Como o produto é impermeável, ele funciona como uma barreira bacteriológica, sem impedir que o ferimento respire", disse.

Monitoramento da cicatrização

Barud acrescenta ainda que, pela transparência e por aderir com facilidade ao leito da ferida, a película possibilitará o acompanhamento constante da cicatrização. Um dos problemas no tratamento de queimados é que o curativo convencional pode provocar lesões todas as vezes que é removido.

"O novo biocurativo poderá ser colocado diretamente na ferida sem necessidade de troca. Além disso, conseguimos desenvolvê-lo com liberação sustentada, ou seja, ele libera própolis lentamente", disse.

A próxima etapa da pesquisa será o teste em animais. Depois de superada essa fase, o biocurativo será testado em humanos. "A meta é produzir o produto em larga escala. A previsão é que dentro de dois a três anos ele seja comercializado", disse Barud.

Participam também da pesquisa os professores Younés Messaddeq e Sidney José Lima Ribeiro, do Instituto de Química da Unesp de Araraquara, além de Andresa Aparecida Berretta, coordenadora de pesquisa na empresa Apis Flora.



Por: Agência Fapesp - Diário da Saúde

Publicado em: 24/12/2010

Fonte: http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=biocurativo-propolis-cicatrizante-antimicrobiano&id=6061

Amamentação por seis meses melhora inteligência das crianças

Alimentação primordial

Crianças de dez anos que haviam sido amamentadas por ao menos seis meses tiveram resultados melhores em testes-padrão de leitura, matemática e grafia, em comparação com crianças amamentadas por períodos mais curtos.

A conclusão é de um estudo australiano feito com mais de mil crianças e relatado nesta pelo site especializado MedPage Today.

Os efeitos benéficos da amamentação apareceram de forma mais relevante em meninos, possivelmente porque o leite compensa hormônios femininos que ajudam a proteger o cérebro das meninas.

Outra possibilidade é que a amamentação tem um efeito positivo nas relações entre mãe e filho, facilitando a interação e, de forma indireta, o desenvolvimento cognitivo, segundo o MedPage Today.

Como os meninos dependiam mais da atenção materna do que as meninas, os efeitos positivos dessa interação se fariam mais presente neles.

Efeitos da amamentação

O estudo, publicado na revista Pediatrics, foi coordenado por Wendy Oddy, do Instituto de Pesquisa de Saúde Infantil da Universidade do Oeste da Austrália.

"Nosso estudo adiciona provas crescentes de que a amamentação por ao menos seis meses tem efeitos benéficos para o melhor desenvolvimento da criança", escreveram Oddy e seus colegas.

A relação entre amamentação e desenvolvimento cognitivo é atribuída aos nutrientes presentes no leite materno - principalmente ácidos graxos poli-insaturados -, que ajudam no crescimento de membranas celulares do cérebro e de neurônios.

Desenvolvimento cognitivo

O estudo levou em consideração os outros fatores que também influenciam o desenvolvimento cognitivo infantil e disse ter tentado controlá-los entre as crianças estudadas.

Com isso, foi possível observar também que índices menores de educação materna e renda prejudicavam o desempenho das crianças.

Em contrapartida, as que liam mais durante a idade de três a cinco anos tiveram melhores resultados nos testes de leitura e escrita.



Por: BBC - Diário da Saúde

Publicado em: 23/12/2010

Fonte: http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=amamentacao-melhora-inteligencia-criancas&id=6056

Tomar leite reduz risco de doenças cardíacas, diz estudo

Leite para o coração

Um estudo publicado na revista especializada American Journal of Clinical Nutrition revela que beber três copos de leite por dia pode diminuir em até 18% o risco de doenças cardiovasculares.

Mas o consumo de leite não é uma unanimidade entre os especialistas. Alguns estudos questionam até mesmo se adultos devem ou não tomar leite.

Um estudo nacional chegou à conclusão que os brasileiros tomam leite em excesso, e que o leite é importante na alimentação, mas não pode ser considerado essencial para uma saúde normal.

Estudos contraditórios

A professora Sabita Soedamah-Muthu, do Departamento de Nutrição Humana da Universidade de Wageningen, na Holanda, conduziu o estudo com a colaboração de pesquisadores da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

Ela analisou cerca de 5 mil estudos sobre o mesmo tema - relação entre tomar leite e doenças cardíacas - feitos na Europa, Estados Unidos e Japão durante um ano e meio e concluiu que o leite é realmente benéfico para a saúde do coração.

"Havia resultados muito contraditórios sobre a relação do consumo de leite com a saúde nos estudos. Às vezes concluía-se que há uma relação benéfica, às vezes maléfica e outras vezes, nenhuma", disse a professora.

Consumo de leite

Os resultados de várias das pesquisas analisadas foram combinados utilizando a quantidade de leite consumida diariamente por cada indivíduo.

Em uma análise final dos números, Soedamah-Muthu percebeu que um copo de leite ao dia parece ter relação com uma redução de 6% no risco de doenças cardiovasculares.

"Conseguimos demonstrar os efeitos positivos de consumir até três copos por dia, quando o risco de problemas no coração fica 18% menor."

Segundo a pesquisadora, não foi encontrada nenhuma relação entre o consumo de leite integral ou desnatado e o aumento do risco de doenças cardíacas, infarto ou mortalidade.



Por: BBC - Diário da Saúde

Publicado em: 17/12/2010

Fonte: http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=consumo-leite-reduz-risco-doencas-cardiacas&id=6048

Alívio que vem das mãos

Criada há mais de um século, a quiropraxia ajuda no tratamento da dor.

Dores na lombar, no pescoço, nas articulações e até enxaqueca. São muitas as razões que levam pacientes a procurar um quiropraxista. A técnica, pouco conhecida no Brasil, mas muito comum nos Estados Unidos, ganha cada vez mais adeptos que buscam ajuda para problemas do sistema neuromusculoesquelético. O tratamento é feito por meio de ajustes, em que o profissional manipula as articulações com um movimento rápido e preciso, que restaura a função articular e, com isso, provoca um relaxamento da tensão muscular.

Mas os benefícios não param por aí. Segundo o quiropraxista Roger Dunn, muitas pessoas chegam ao consultório para tratar dores pontuais e relatam melhoras em outras áreas da saúde.

Para Dunn, isso ocorre porque, ao aliviar a pressão sobre os nervos comprimidos, é liberado um fluxo maior de sangue, que permite uma melhor irrigação dos órgãos.

A quiropraxista Janice Cavalcante explica que muitas situações podem gerar desvios na coluna: má postura, esforços repetitivos, sedentarismo, tombos, entre outros. Segundo ela, é importante procurar tratamento nos primeiros sintomas.

– A maioria das pessoas demora para procurar ajuda de um especialista – alerta.

Ela atribui isso à cultura.

– Quando uma criança cai, a mãe pega no colo e diz: “Vai passar, não foi nada.” E muita gente leva as dores achando que uma hora passa, quando o correto seria, além de tratar, sempre prevenir.

A consulta com um quiropraxista começa com um diagnóstico em que o profissional investiga o histórico do paciente, questiona em quais situações a dor piora ou melhora, faz um teste para avaliar as razões do desconforto e observa vícios de postura e hábitos. Após essa etapa, ele indica o tratamento e dá orientações para a recuperação e a prevenção de lesões.

O resultado do tratamento depende muito do estilo de vida que a pessoa leva. Segundo Janice, o paciente pode ser comparado a uma cartolina dobrada.

– Ele chega aqui e a gente desdobra a cartolina, mas se ele não rever os hábitos, as vértebras voltam para o mesmo lugar.

Ao procurar um quiropraxista, é importante verificar se ele é membro da Associação Brasileira de Quiropraxia. A profissão não é regulamentada no Brasil e existem muitos terapeutas sem formação atuando na área, o que pode representar um risco. Certifique-se de que o profissional tem formação em nível superior em quiropraxia. O curso é oferecido em duas universidades no país.

UM POUCO DE HISTÓRIA

* Daniel David Palmer desenvolveu a quiropraxia em 1895, nos EUA. Em 1897, fundou a Palmer School of Chiropractic, a primeira escola de quiropraxia do mundo.

* O termo quiropraxia é derivado de duas raízes gregas: quiro (mãos) e praxis (praticar).

* Nas décadas de 1980 e 1990, os primeiros brasileiros formados em faculdades internacionais iniciam o processo de estruturação da profissão no país.

* Em 16 de novembro de 1992, foi fundada, em São Paulo, a Associação Brasileira de Quiropraxia (ABQ).

* A partir de 2000, uma universidade particular em São Paulo e outra no Rio Grande do Sul passaram a oferecer graduação em quiropraxia. O curso foi reconhecido pelo Ministério da Educação em 2005.

* Em 2001, foi apresentado na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 4.199, que prevê a regulamentação da profissão.

* O projeto já tramitou em todas as comissões de mérito e aguarda a votação em plenário.

Queixas mais comuns

* LOMBALGIA: dores na região lombar.

* TORCICOLO: dores no pescoço.

* CITALGIA: dores no ciático.



Por: Diário Catarinense

Publicado em: 05/12/2010

Fonte: http://www.clicrbs.com.br/diariocatarinense/jsp/default2.jsp?uf=2&local=18&source=a3129131.xml&template=3898.dwt&edition=16024§ion=1380

Medicamento homeopático é alternativa para evitar efeitos colaterais indesejáveis em crianças

Especialista explica cuidados no uso de medicamentos durante a infância.

Utilizar medicamentos homeopáticos é uma alternativa eficaz para evitar efeitos colaterais indesejáveis em crianças, segundo o médico pediatra e homeopata Yechiel Moises Chencinski. Durante a infância o organismo se encontra em constante desenvolvimento - neurológico, psicológico, endocrinológico e imunológico -, e alguns medicamentos podem alterar ou até mesmo prejudicar essa evolução.

"Os efeitos adversos de remédios podem ser agudos e causar vômitos, dores de cabeça, diarreia e tontura", explica o especialista. Segundo ele, reações indesejáveis geralmente são provocadas pelo uso contínuo ou repetido de algumas drogas e podem alterar funções mais nobres do organismo, como o crescimento e desenvolvimento ou prejudicar a atividade hepática e renal, por exemplo. "É preciso avaliar os riscos dessas ocorrências para se adequar ou até suspender e mudar o tratamento prescrito", afirma.

De acordo com o Dr. Chencinski, é muito importante que o médico esteja familiarizado com a medicação utilizada e que os pacientes tenham acesso facilitado aos profissionais de saúde. "Os medicamentos devem ser receitados corretamente e o uso deve contar com supervisão constante", salienta. "A qualquer sinal de prejuízo, esses tratamentos devem ser reavaliados e reorientados", aponta.

Crianças merecem atenção redobrada na administração de medicamentos - Algumas classes de medicamentos merecem atenção redobrada quando utilizados em crianças. Entre os mais comuns estão os antibióticos, corticoides, anti-inflamatórios, antidepressivos, quimioterápicos e até vacinas. "Isso não significa que esses medicamentos não tenham seus pontos positivos e suas indicações precisas no tratamento de muitas doenças", lembra o médico. "Algumas vezes essas medicações são fundamentais para salvar vidas humanas, independente de sua faixa etária", ressalta.

No caso dos medicamentos homeopáticos, eles podem ser utilizados em um grande número de pacientes para solucionar diversas doenças. "A homeopatia pode ser associada à alopatia, acupuntura, fitoterapia, entre outras, buscando o bem estar e o equilíbrio da saúde do paciente", lembra o Dr. Chencinski.

"Não existem efeitos adversos ou efeitos colaterais indesejáveis com o uso do medicamento homeopático agudamente ou de forma prolongada, nem a curto e nem a longo prazo", certifica. "É muito importante, no entanto, que sejam indicados por um profissional de saúde habilitado, o que é essencial para garantir a segurança do paciente de qualquer faixa etária", completa.



Por: Portal Fator Brasil

Publicado em: 28/12/2010

Fonte: http://www.revistafator.com.br/ver_noticia.php?not=141742

Contra resistência bacteriana, médico defende homeopáticos

Alternativa ajuda a reduzir os riscos decorrentes do uso indevido de antibióticos após ANVISA determinar maior controle na comercialização desses medicamentos.

O uso de medicamentos homeopáticos pode substituir tratamentos em que a utilização de antibióticos não é essencial, de acordo com o Dr. Levon Mekhitarian, médico otorrinolaringologista e mestre em Ciências da Saúde. A nova decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que estabelece maior controle na comercialização de antibióticos no Brasil, reacende a preocupação com um grave problema que atinge a saúde da população: a resistência bacteriana.

"Quando bactérias se reproduzem mesmo na presença de doses mais altas dos antibióticos usados nos tratamento convencionais, a situação é preocupante", explica o médico. "Com o uso da medicação homeopática temos outros mecanismos de estimulação da defesa do organismo, mais naturais e com ação direcionada, por isso nesses casos esses medicamentos apresentam vantagem terapêutica".

Segundo o Dr. Mekhitarian, estima-se que dois terços dos antibióticos são utilizados sem prescrição médica em muitos países. A resistência de bactérias é um problema que acontece onde não há fiscalização pelos órgãos competentes e uso de antibióticos de forma indiscriminada e incorreta. "O uso desses remédios deve ser reservado para os casos comprovados de ação bacteriana com poder maior de contaminação", acredita.

Infecções de vias aéreas superiores podem ser tratadas com medicação homeopática - Nos casos de infecções de vias aéreas superiores como, por exemplo, faringites, amidalites, otites, sinusites e laringites, 50% do uso de antibióticos acontece de maneira desnecessária, de acordo com o médico. "Essas afecções são perfeitamente tratáveis com o uso de medicamentos homeopáticos", esclarece o especialista.

"Sabemos que quase 90% das infecções das vias aéreas superiores são virais, portanto o uso de antibióticos é quase desnecessário. A medicação homeopática é uma excelente opção uma vez que estamos tratando causa e sintomas, encurtando a duração da doença e prevenindo as complicações principalmente em idosos", completa o Dr. Mekhitarian.

Entenda a restrição da Anvisa às vendas de antibióticos - No final de novembro, entraram em vigor as novas regras para comercialização de antibióticos em farmácias em todo o Brasil, seguindo determinação da ANVISA. Esses medicamentos agora são vendidos apenas com apresentação de receita médica - sendo que uma via fica retida no estabelecimento e outra deve ser carimbada para evitar reutilização. Além disso, as prescrições médicas terão validade de dez dias e ficarão registradas no Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC). Segundo a Organização Mundial de Saúde, mais da metade das prescrições de antibióticos em todo o mundo são desnecessárias ou inadequadas.



Por: Portal Fator Brasil

Publicado em: 21/12/2010

Fonte: http://www.revistafator.com.br/ver_noticia.php?not=141294

Laticínios podem diminuir risco de diabetes tipo 2

Gosta de saborear queijo, leite, iogurte, manteiga? Pois saiba que o hábito pode ser benéfico à sua saúde. De acordo com uma pesquisa americana, um componente dos laticínios, o ácido graxo trans-palmitoléico pode diminuir o risco de desenvolver diabetes tipo 2.

Cientistas da Escola de Saúde Pública de Harvard e colaboradores de outras instituições examinaram 3736 pessoas, acompanhadas ao longo de 20 anos. Amostras de sangue armazenadas em 1992 foram utilizadas nos testes, como informou a publicação Annals of Internal Medicine.

Em comparação com os participantes de níveis baixos do ácido, os com taxas elevadas apresentaram chance 60% menor de ter diabetes. Segundo o site Science Daily, o composto não é produzido pelo organismo. Por ser obtido justamente a partir da gordura do leite, melhor não exagerar no consumo de seus derivados. Mais estudos são necessários para comprovar seus benefícios.

Por: Portal Terra - Seção: Saúde - Patricia Zwipp

Publicado em: 27/12/2010

Fonte: http://saude.terra.com.br/noticias/0,,OI4856491-EI16560,00-Laticinios+podem+diminuir+risco+de+diabetes+tipo.html

Acupuntura pode ajudar correção de "olho preguiçoso", mostra estudo

A acupuntura pode ajudar no tratamento da ambliopia, problema que afeta a visão de crianças e é conhecido como “olho preguiçoso”, segundo revela uma pesquisa publicada no periódico "Archives of Ophtalmology". O distúrbio é caracterizado pela baixa visão em um dos olhos. O tratamento é feito normalmente com óculos, colírio ou tampão.

O levantamento foi feito na China com 88 crianças entre 7 e 12 anos. Durante 25 semanas, metade do grupo estudado usou tampão por duas horas ao dia. A outra parte fez cinco sessões semanais de acupuntura. De acordo com a pesquisa, esse grupo teve 42% de melhora, contra 17% no grupo que usou tampão.

Segundo os pesquisadores, a acupuntura ativa o sistema nervoso e libera endorfina, dopamina e serotonina, substâncias com efeito analgésico e anti-inflamatório. O relaxamento provocado pela liberação dessas substâncias reduziria, portanto, a tensão dos músculos dos olhos, responsável por causar a doença.

Por: EBAND - Seção: Saúde

Publicado em: 27/12/2010

Fonte: http://www.band.com.br/jornalismo/saude/conteudo.asp?ID=100000382978

Gordura na barriga pode causar doenças

Combinação de má alimentação e vida sedentária causa sérios problemas ao organismo

Uma das promessas mais comuns que as pessoas costumam fazer para o ano novo é perder peso. Essa tarefa, porém, nem sempre é fácil, sobretudo quando se trata de alguém que não pratica exercícios físicos e ainda abusa das comidas cheias de calorias.

Neste caso, o resultado pode ser a temida gordura abdominal, responsável pela barriga, problema que atinge tanto homens quanto mulheres e pode acarretar doenças perigosas, como a diabetes.

Para os homens, a circunferência da barriga não pode ser maior que 102 centímetros. Entre as mulheres, a medida máxima permitida é de 80 centímetros.

Parte da gordura que comemos é transformada em energia. O excesso fica depositado nos tecidos, nos órgãos e vai para o sistema sanguíneo. O acúmulo de gordura provoca inflamações e pode entupir vasos e artérias, como explica o nutrólogo Celso Cukier.

- A artéria do nosso coração, ela tem um calibre reduzido, e com isso os entupimentos são mais frequentes, as oclusões são mais frequentes, causando a deficiência de sangue no nosso coração e levando ao conhecido enfarto.

De acordo com o tomografista Giuseppe D’ippolito, o órgão que mais sofre com o acúmulo de gordura é o fígado.

- O fígado é o grande filtro de tudo que nós comemos. Você imagina um filtro de café: ele vai depurar, segurar a gordura e não vai permitir que essa gordura fique circulando e alcançando outros órgãos.

Os problemas, porém, não param por aí. Descobertas científicas recentes indicam que, entre os homens, a gordura abdominal afeta a produção da testosterona, hormônio responsável pela ereção.



Por: Portal R7 - Seção: Saúde

Publicado em: 26/12/2010

Fonte: http://noticias.r7.com/saude/noticias/gordura-na-barriga-pode-causar-doencas-como-diabetes-e-ate-mexer-com-os-hormonios-20101226.html

Pão integral com casca de cupuaçu tem mais fibras e menos carboidratos

Casca de cupuaçu

A casca de cupuaçu tem as melhores características para a elaboração de uma farinha para a fabricação de pães integrais.

A conclusão é resultado do trabalho do pesquisador Bruno Sanches Rodrigues, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, em Piracicaba (SP).

Bruno trabalhou inicialmente com três culturas diferentes: açaí, buriti e cupuaçu, com o objetivo de caracterizar as polpas e as sobras do processamento.

Os testes mostraram que a farinha da casca de cupuaçu era a mais indicada para o projeto.

Mais fibras e menos carboidratos

Os alimentos foram desenvolvidos substituindo parcialmente a farinha de trigo pela farinha da casca de cupuaçu em 3%, 6% e 9% e, posteriormente, analisados quanto à composição centesimal, propriedades físicas e aceitabilidade pelos consumidores.

"Os pães integrais tiveram sua composição centesimal quase inalterada em função da substituição da farinha de trigo pela farinha de cupuaçu, exceto pelo aumento gradativo no teor de fibras alimentares em detrimento do teor de carboidrato. Dessa forma, os pães com 6% de farinha de cupuaçu, segundo a nossa legislação, podem ser considerados como 'fonte de fibras' e os pães com 9% com 'alto teor de fibras alimentares'", conta o pesquisador.

A análise sensorial foi feita numa padaria. "Tivemos que garantir aos provadores que mesmo não havendo na literatura um pão produzido com farinha de casca de cupuaçu, tratava-se de um alimento seguro e de acordo com as normas exigidas. Busquei sair um pouco do laboratório para ter uma extensão do projeto na comunidade. Nós queríamos testar as fibras para ver se eram realmente viáveis", destaca Bruno.

O teste de aceitação constatou que 72,5% dos voluntários consumiam pães diariamente; 67,5% consideraram pães importantes na alimentação e 65,0% declararam importante o consumo de fibras para a saúde.

Quanto à avaliação da qualidade, os pães com farinha de casca de cupuaçu obtiveram ótima aceitação e seriam consumidos por 92,5% dos provadores.

Pão com baixa caloria

Um dos pontos importantes da pesquisa indica que o aumento do teor de farinha de cupuaçu proporcionou diminuição no valor calórico dos pães em relação ao padrão. O valor de pH variou pouco nos pães.

A farinha de casca de cupuaçu causou uma diferença maior na cor dos miolos dos pães, e menos em sua casca - a aparência externa do pão muda com a adição de quantidades maiores da farinha, ficando mais escura.

Por outro lado, o volume dos pães diminuiu proporcionalmente em relação ao aumento da substituição da farinha branca pela de cupuaçu, quando comparados ao pão padrão.

Aproveitamento das cascas

A pesquisa teve o objetivo de verificar o aproveitamento de resíduos da agroindústria como fonte de fibras para a elaboração de pães integrais. "O aumento da produção pela agroindústria ao mesmo tempo em que proporciona benefícios, gera uma grande quantidade de resíduos que, se não tratados de forma adequada, trazem malefícios à sociedade e ao ambiente", aponta Bruno.

Foram utilizados resíduos de açaí, buriti e cupuaçu. "Os resíduos são gerados pela casca, semente, endocarpo e polpa que, após prensados, surgem no formato de torta desengordurada. Após análise dessa torta, tivemos que definir um produto final porque encontramos um leque muito grande de resultados. Enfim, encontramos a melhor fonte de fibras para a elaboração de pães integrais de acordo com expectativas de se produzir um alimento seguro que também gerasse renda", explica.


Por: Agência USP - Diário da Saúde

Publicado em: 22/12/2010

Fonte: http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=pao-integral-casca-cupuacu&id=6044

Isotônicos: cautela na dose

Sempre que você está com sede, após aquela caminhada ou então depois de ir a pé na mercearia do bairro debaixo de um sol escaldante, prefere saciar-se tomando um isotônico bem geladinho, desses que os atletas tomam para repor as energias. Se eles tomam, o que há de errado você beber também, certo? Errado! Nem sempre o que serve para grupos específicos, mesmo que sejam de atletas, servem para todas as pessoas. E isso vale para as bebidas isotônicas também. Consumida em excesso e de forma equivocada, elas podem causam alguns danos à saúde, ganho de peso, além de ser recomendada a portadores de doenças crônicas e grávidas sem acompanhamento médico.

As bebidas isotônicas servem para repor a água e os sais minerais perdidos pelos atletas ou adeptos de uma atividade física regular, durante a prática dos exercícios. Servem também para a reposição dos eletrólitos, principalmente o sódio e potássio.

E é justamente aí que aparecem as restrições para determinadas pessoas. Os hipertensos devem evitar os isotônicos justamente pelo alto teor de sódio, bem como os doentes renais. Por também ter sacarose sacarose em sua composição, a bebida é desaconselhável aos diabéticos, além de contribuir para o ganho de peso.

Na verdade, esse tipo de repositor — não confundir com os energéticos, desses usados nas baladas — é indicado para ser ingeridos antes, durante e após atividades físicas que durem mais de uma hora e que provoquem transpiração. Mesmo assim, os especialistas aconselham tomá-lo em pequenos goles mesmo durante os exercícios.

“O ruim é o seguinte: a pessoa termina sua atividade física e em vez de fazer a reposição aos poucos, dde gole em gole, vai e toma logo um litro de isotônico. Aí fica com uma plenitude gástrica e vai ter dificuldade até mesmo de fazer os exercícios. A preocupação maior com o isotônico é em termos de quantidade”, comenta o fisiologista Roberto Vital.

Ele comenta, porém, que mais importante ainda do que isso é ter sempre uma alimentação balanceada e beber bastante água.

Isotônicos repõem água e sais minerais

Os isotônicos foram desenvolvidos para repor a água e os sais minerais perdidos pelo organismo durante atividades físicas, ou seja: hidratar e melhorar o desempenho dos atletas. Mas eles devem ser consumidos após exercícios que durem mais de uma hora e que provoquem transpiração. Atividades leves como uma simples caminhada ou uma ida à padaria, por exemplo, não são motivos para matar a sede com bebidas isotônicas. Para isso, água!

O fisiologista Roberto Vital, especialista em Medicina do Esporte, explica que a maioria dos isotônicos promovem a reposição hidroeletrolítica — ou seja, devolvem ao organismo os eletrólitos (sódio, potássio, cálcio, magnésio, cloreto, zinco, manganês, ferro e cobre) através do meio líquido. “A pessoa que está fazendo uma atividade física quer repor o que está gastando. E os isotônicos desempenham muito bem essa função.”

No entanto, ele faz questão de enfatizar que o melhor repositor é a água. E a sede é o regulador maior do organismo. “Se você faz uma atividade física regular, na hora em que você sente sede significa que — se comparado com um carro — o nível de seu óleo já está lá embaixo. Então, a recomendação é que a pessoa não chegue a ter a sensação de sede, porque quando isso acontece significa que a pessoa já está com uma perda muito acentuada. Então, ele deve fazer uma reposição antes, durante e depois da atividade física”, diz Vital.

SÓDIO DEMAIS

Para a nutricionista Edneia Soares, o maior problema das bebidas isotônicas é a grande quantidade de sódio e potássio, além dos corantes em sua composição. Mas o problema maior, na avaliação dela, seria o sódio. Ela também condena o fato de as pessoas muitas vezes ingerirem esse tipo de bebida para matar a sede, como se fosse água, ou suco.

Já para Roberto Vital o teor de sódio justifica-se pelo fato de ser justamente o sódio o eletrólito que mais se perde na atividade física intensa “E o isotônico vai repor essa perda.”

A maltodextrina seria, na opinião da nutricionista, o tipo de isotônico mais recomendado para a reposição. “É só carboidrato puro, sem os eletrolíticos. Mas os repositores naturais são mesmo a água e água de coco”, afirma.

Quem treina pesado pode até tomar os isotônicos com mais frequência, segundo Edneia Soares; diferente de algumas pessoas, como os portadores de doenças crônicas, hipertensos e diabéticos. “Para esses, o mais indicado mesmo é a maltodextrina.”

Ela resume a questão afirmando que, na verdade, o que continua valendo e dando certeza para esse tipo de dúvida é manter sempre uma alimentação saudável.

NA ACADEMIA

Eliane Maia malha diariamente. Ir à academia é uma rotina constante em sua vida, pois além de praticar musculação também é supervisora do local. Mas apesar de viver nesse universo, ela não é adepta do consumo de isotônico. “Tenho uma dieta balanceada e tomo dois litros de água por dia. Durante a malhação só tomo água mesmo”, confirma ela, acrescentando nunca ter ouvido relatos de alunos sobre problemas relacionados ao uso excessivo de bebidas isotônicas. Na própria academia há uma lanchonete onde o produto é vendido.

Problema com isotônico ela teve mesmo de forma indireta, não relacionada com a atividade física. Eliane conta que após sofrer um acidente de carro, só conseguia ingerir esse tipo de bebida, e não conseguia dormir à noite. “Só depois me disseram que isso poderia estar relacionado com o isotônico.”

Já Deivyson Falcão, personal trainer de Eliane, vê pontos positivos e negativos no consumo de bebidas isotônicas durante a atividade física. Segundo ele, elas melhoram o rendimento do atleta durante o exercício, além de evitar a hipoglicemia (diminuição do nível de glicose no sangue). “Normalmente quem sente um pouco de cansaço, tem problemas, baixo teor de glicose, o isotônico é uma boa”, comenta Deivyson.

Entre os malefícios, ele cita o baixo rendimento que a bebida provoca ao ser consumida de forma excessiva na academia. “São recomendados poucos goles durante o exercício e o uso excessivo antes e após.”

QUEM PODE ou NÃO

Apesar de aparentemente ser uma bebida saudável e de não haver uma contraindicação formal, o seu consumo deve ser feito com moderação e cuidado por parte de algumas pessoas. Principalmente os hipertensos devido ao sódio. Os diabéticos também devem ser cautelosos, pois esse tipo de bebida contém sacarose, Mulheres grávidas sem acompanhamento médico e portadores de doenças renais também não devem consumir isotônicos, alertam os especialistas.

Para os casos acima, são sugeridas algumas substituções, como água-de-coco, chás gelados, sucos naturais de baixo teor calórico e bebidas hidrotônicas, semelhantes ao isotônicos, porém com menos sais minerais.

Quem também deve evitar o consumo constante são os mais preocupados com os quilinhos a mais. De acordo com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, o isotônico é uma fonte de calorias, quase equivalente a uma bebida adocicada com açúcar, como refrigerante, por exemplo. Como são feitas para os atletas reporem energias, seu consumo em excesso sem o gasto energético posterior pode, sim, acarretar em sobrepeso.

Isotônico é diferente de energético

Muita gente confunde isotônico com energético. E os dois são praticamente antagônicos. Enquanto o primeiro hidrata e repõe os sais minerais, o outro pode provocar até mesmo à desidratação. Uma latinha de energético tem até 30% mais de cafeína do que um café expresso. Agora imagine essa carga energética associada ao esforço intenso dos exercícios...

Os isotônicos são recomendado para qualquer pessoa que faça uma atividade física regular, segundo o fisiologista Roberto Vital. “A preocupação nossa, da área de saúde, principalmente nós que somos médicos e lidamos com esporte, é o modismo dos energéticos. Eles podem ocasionar uma série de transtornos para o atleta, ou para qualquer pessoa, a médio e longo prazo.”

Ele comenta que o energético exerce uma ação muito grande no sistema nervoso central, dando uma sensação de euforia, mas sem romper a energia necessária para quem está fazendo uma atividade física regular. “Diferente do isotônico que vai fazer essa função e, consequentemente, o atleta vai ter um melhor rendimento na prática da atividade física, uma melhora na performance. Se for uma atividade física de longa duração, ele vai ter uma recuperação mais rápida”, esclarece Roberto Vital .

Já os energéticos, consumidos em doses elevadas podem provocar nervosismo, ansiedade, insônia, tremores e até distúrbios neurológicos, assim como o café, guaraná e outros estimulantes. A cafeína de sua composição pode causar dependência leve e aumentar a frequência cardíaca. Apesar de provocarem uma falsa sensação de energia, não devem ser usados como repositores energéticos.



Por: Tribuna do Norte

Publicado em: 13/03/2011

Fonte: http://tribunadonorte.com.br/noticia/isotonicos-cautela-na-dose/175267

Ioga beneficia pessoas que sofreram derrame

A prática da ioga em pessoas que sofreram derrame pode ser extremamente benéfica. Pesquisadores realizaram estudo com 20 veteranos de guerra que haviam sofrido derrames – 19 homens e uma mulher em uma média de 66 anos de idade. Eles participaram de aulas de ioga de uma hora, duas vezes por semana durante dois meses. As aulas foram construídas de acordo com as necessidades específicas dos idosos.

Com a ioga, os veteranos viram melhoras em seu equilíbrio e também na autoconfiança. Além disso, os participantes viram as aulas como uma atividade prazerosa. A pesquisadora Alerne A. Schimid afirma que “eles gostaram tanto em parte porque não estavam recebendo nenhum outro tratamento. Eles já tinham completado a reabilitação deles, mas sentiam que ainda havia espaço para melhoras”.

Os pesquisadores viram que, com as aulas, o equilíbrio dos veteranos havia aumentado em 34%. Eles também viram melhorias na capacidade de os participantes realizarem atividades físicas. Essas mudanças são ainda mais importantes quando é levado em conta que derrames aumentam os riscos de idosos caírem e se machucarem seriamente.

Apesar de o estudo ter mostrado bons resultados, o experimento deve ser feito com um grupo maior de pessoas para que o efeito positivo da ioga em sobreviventes de derrame seja comprovado.

Por: Jornal da Manhã - Seção: Saúde

Publicado em: 09/06/2011

Fonte: http://www.jmonline.com.br/novo/?noticias,7,SA%DADE,46316

Dieta mediterrânea tem benefícios físicos e mentais

Mais saúde

Há anos a dieta mediterrânea tem sido associada com uma menor probabilidade de doenças, sobretudo com menores riscos cardiovasculares.

Mas será que esse jeito de se alimentar poderia não apenas evitar males, mas também reforçar a saúde e gerar benefícios físicos e mentais?

É justamente isso o que demonstrou agora um estudo conduzido por pesquisadores das universidades de Las Palmas e Navarra, na Espanha.

"O envelhecimento progressivo da população torna ainda mais interessante descobrir fatores que possam aumentar a qualidade de vida e a saúde da população," justifica Patricia Sánchez Henríquez, coordenadora do estudo.

Influências da dieta mediterrânea

O estudo analisou a influência da dieta mediterrânica na qualidade de vida de uma amostra de mais de 11.000 estudantes universitários, durante um período de quatro anos.

A fim de verificar se a dieta mediterrânea era mesmo seguida, o consumo de vegetais, leguminosas, frutas, cereais e peixe recebia notas positivas pelos estudantes, enquanto o consumo de carne, produtos lácteos e álcool era desvalorizado.

Os resultados revelam que aqueles que ficaram mais tempo com uma pontuação mais elevada apresentaram igualmente resultados mais altos nas avaliações de qualidade de vida em termos de bem-estar mental e físico.

A ligação é ainda mais forte em termos de qualidade de vida física, relata o artigo, publicado no European Journal of Clinical Nutrition.

Pirâmide da dieta do Mediterrâneo

A dieta mediterrânea se caracteriza pelo consumo de frutas, verduras, legumes, peixes, azeite e nozes.

As refeições principais sempre contam com três elementos básicos: cereais, frutas e legumes, e produtos lácteos.

As carnes são preteridas em relação aos peixes e frutos do mar. Quando ingeridas, devem se restringir a carnes magras. Ovos são outra fonte importante de proteínas.

Além disso, deve-se incluir uma ingestão diária de 1,5 e 2 litros de água.

O azeite de oliva constitui a principal fonte de gordura na dieta mediterrânea.

Também é recomendado um consumo moderado de vinho ou outras bebidas fermentadas.

Açúcar, doces, bolos, doces e bebidas açucaradas estão no topo da pirâmide da alimentação mediterrânea, a parte menor da pirâmide, o que significa que devem ser consumidos ocasionalmente e em pequenas quantidades.





Por: Redação do Diário da Saúde

Publicado em: 05/06/2012

Fonte: http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=dieta-mediterranea-beneficios-fisicos-mentais&id=7833





Por:

Publicado em: 30/11/-0001

Fonte:





Por:

Publicado em: 30/11/-0001

Fonte:





Por:

Publicado em: 30/11/-0001

Fonte:





Por:

Publicado em: 30/11/-0001

Fonte:





Por:

Publicado em: 30/11/-0001

Fonte:

[ - ] Voltar

Terapias Curitiba

Av. Visconde de Guarapuava, 3.444 - Conj. 606 - 6º Andar - CEP 80.250-220 - Bairro Centro - Curitiba - PR